Osteostomias

As Osteotomias consistem em um procedimento cirúrgico de realinhamento do eixo do joelho, resultante de uma deformidade óssea causada por fratura, desgaste, ou até mesmo anomalia congênita. Tal processo leva a alteração da área de pressão do joelho aumentando a estabilidade deste.

Para tal, o médico ortopedista adiciona ou remove uma cunha de osso na tíbia superior ou no fêmur inferior, dependendo da causa do procedimento. Dentre os diferentes motivos destacam-se dois: O Genu Varo, e o Genu Valgo. 

Genu Varo

O Genu Varo é uma patologia onde os joelhos encontram-se afastados e arqueados a todo o tempo, mesmo quando seus tornozelos se tocam. Esta é mais comuns em homens e em casos mais extremos o arqueamento é visível.

Fonte: https://www.ortopediabr.com.br/wp-content/uploads/2018/02/genu4.jpg
Joelhos com Genu Varo

Genu Valgo


O desalinhamento do quadril e das pernas é chamado de Genu Valgo. A condição leva os joelhos a arquear-se para dentro, ao mesmo tempo que os pés arqueiam-se para fora. Por isso, a patologia e popularmente conhecida como pernas em X, ou de tesoura. 

Fonte: https://www.ortopediabr.com.br/wp-content/uploads/2018/02/genu3.jpg
Joelhos com Genu Valgo

Indicações

.
O Procedimento é indicado tanto para pacientes com alteração do eixo da perna, quando para portadores de artrose inicial em apenas um lado do joelho. No geral, a cirurgia é indicada àqueles com menos de 60 anos, bom nível de atividade física, e peso normal. 

Como é feito:

A Osteotomia é feita através de um corte controlado do osso, com objetivo de alinhar a articulação do joelho ao eixo correto. Esta pode tanto ser realizada na Tíbia, abaixo do joelho, ou no Fêmur, acima deste. O procedimento objetiva formar uma cunha que pode ser adicionada ou removida do osso para corrigir as deformidades. A fixação da osteotomia pode ser feita por grampos, placas ou fixadores externos, de acordo com cada caso. 

Cuidados após a Osteotomia

O uso de muletas varia de acordo com a necessidade, porém em geral esse período é de aproximadamente 6 semanas. O abandono destas é progressivo à medida que a região se fortalece por meio de fisioterapia. A cicatrização completa do procedimento só se dá entre 6 a 12 semanas após a data da cirurgia